Apenas mais um cão apaixonado

PS: Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência

Ele estava entediado. Deitava perto do portão, logo mudava de ideia, ia se aconchegar na terra. Não satisfeito com a mudança foi se espreguiçar em cima da mesa. Ah, esse era o lugar que ele gostava, suas cobertas, seus ossinhos estavam dando boas vindas a ele. Estava bem até aquele cheiro se aproximar, as orelhas ficaram em pé e logo deu um salto para o chão. Voltou ao portão e impedido de sair tornou a uivar. Aquele perfume o consumia por dentro, queria chegar até ele nem que fosse a última coisa que fizesse em vida.

Então esperou, ficou assim a tarde toda, uivando e uivando. Quando enfim deu 18h ele estava ficando feliz, sabia que faltavam apenas alguns minutos para encontrar aquela fragância maravilhosa. Suas orelhas pararam de pé, já se podia escutar o ronco do motor se aproximando, sua ansiedade estava crescendo a cada minuto. Em meio aos tantos sons que vinham da rua, lá estava o gol branco. O dono desceu e abriu o portão, como uma flecha, Nick saiu voando. Correu e não parou até o momento de encontrar a dona daquele perfume.

Seus pelos logo se eriçaram com os outros acompanhantes daquela dama. Ele era ciumento, não queria dividir com ninguém aquela experiência. Ela enquanto isso estava recuando em meio as tantas investidas que vinham de todos os lados. Ahh! Mas ele a queria de qualquer jeito. Quando enfim conseguiu se aproximar dela, um outro ciumento também se aproximou.

Ele não estava preparado para aquela força bruta, mas para não se dar mal tentou, lutou por aquela cachorrinha que tanto desejou. Mas não teve muito jeito, o outro era mais forte, mesmo todo machucado saiu da roda de briga com o pelo eriçado, claro, seu orgulho era maior que tudo. Chegou em casa, todo esburacado. Sua nuca estava sangrando, olhava para seus donos com cara de pena, ele foi a vítima afinal. Deitou triste sobre suas cobertas, pensava nela como sendo sua única musa, o único amor da vida dele (nem que durasse apenas uma semana).

Até mesmo os cães sofrem por amor.
Até mesmo os cães sofrem por amor.

Assim permaneceu, em meio as dores que fisgavam no pescoço. Não queria comer, não tinha ânimo para latir, só estava triste, querendo ela, lembrando dela. Até que um dia finalmente aquele cheiro desapareceu, aos poucos ele voltou a sua rotina. Ainda lembrava dela, ficava parado em frente ao portão observando o nada. Com o tempo ele mudava de lugar, fazia as coisas de sempre, latia, corria atrás das pombas, esperava por um osso durante o almoço, dormia, o mesmo de sempre.

Algumas semanas depois, inesperadamente, aquele cheiro voltou. E lá se vai ele de novo, batendo com o focinho entre a parede, mostrando que a esperança é a última que morre. Uma breve história de Nick, um cachorrinho mimado que não resiste as cadelinhas que passam em frente ao portão. Ensinando que até mesmo um cãozinho sofre de amores não correspondidos.

Anúncios

Obrigada por comentar.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s