Violência obstétrica, você não vê, mas elas sentem

Por: 

Revisão: 

A violência obstétrica é um fantasma na vida de muitas mulheres: segundo um estudo realizado pela Pública, uma em cada quatro brasileiras já sofreu com esse tipo de agressão. A violência não é só o ato físico. A verbal pode ser grave e  deixa marcas. Muitas mães não denunciam ou até acham que abusos e agressões são normais.

Uma enfermeira que trabalha em Foz do Iguaçu conta que os profissionais que trabalham no centro obstétrico comentam sobre a “fama” dos médicos. “As médicas mulheres são as mais estúpidas. Os obstetras são mais atenciosos e cuidadosos, mas também cometem alguns equívocos. Muita gente não está preparada para lidar com essas pessoas passando por esse tipo de dor, fazem o procedimento correto mas não sabem como tratar a gestante”.

Há números e casos que comprovam toda essa situação: de seis entrevistadas, apenas uma não sofreu nenhum tipo de agressão. Acompanhe três dos casos mais marcantes.

Três gestações, três traumas

dscn2556

L.V realizou três partos normais por plano de saúde. Teve problemas para engravidar na primeira gestação, e escutou de sua ginecologista que se engravidasse perderia seu filho ou morreria. Em sua segunda gravidez, aguentou os tons de deboche de uma auxiliar de enfermagem. “Imagina quando estiver na hora do parto” foi o que ouviu quando estava com a cabeça de sua filha coroando. Mas foi seu terceiro parto que a deixou marcada físico e psicologicamente.

“Quando cheguei no hospital, me perguntaram se queria ligar para o meu médico. Avisaram que ele demoraria três horas para chegar. Como estava com contrações fortes, preferi a médica que estava de plantão. Ela também queria fazer meu parto em seu plantão, pois ganharia mais com isso. Para forçar meu bebê a nascer, ela enfiou o fórceps várias vezes seguidas. Após minha segunda filha nascer, tive meu útero retirado do meu corpo, costurado e colocado de volta, para conter uma hemorragia devido aos inúmeros cortes. Quando meu médico soube do que aconteceu, deu socos na mesa do seu consultório. Na semana seguinte, ela foi denunciada ao Conselho Regional de Medicina e foi mandada embora do hospital em que fui atendida.”

Quartos coletivos do SUS

dscn2575

C.B é mãe de duas meninas, uma com 11 e outra com 13. Ambos os partos (cesáreas) foram realizados pelo Sistema Único de Saúde. No texto a seguir, ela conta como foi o parto da sua primeira filha.

“Tive um trabalho de parto normal, de 12 horas seguidas. Eu havia ido ao hospital duas vezes no mesmo dia, o médico fez o toque e não havia dilatação. Na terceira vez que eu fui ele concordou em fazer cesárea, porque o trabalho de parto já tava demorando muito tempo. A parte clínica foi tranquila, a equipe era completa. O problema todo começou depois da cirurgia. Te mandam pra uma sala de recuperação da anestesia, e quando dá aproximadamente três horas, que é o tempo de recuperação da anestesia, a enfermeira só verifica se você tem sensibilidade nos pés e daí você já sai da sala direto pro quarto.Você passa em frente ao berçário, as suas pernas ainda estão abertas (meio anestesiadas) e colocam o neném no meio. Aí os enfermeiros me tiraram da maca e colocaram na cama, sem dar as 12 horas que o médico recomenda. E dali você tem que se virar e contar muitas vezes com a solidariedade das pessoas, porque no SUS os quartos são coletivos, então tinha uma moça que havia tido parto normal e me auxiliou: eu dava de mamar pra minha de um lado, e quando eu precisava trocar, ela que também havia tido uma filha, de parto normal, levantava da cama dela e trocava a neném de lado pra mim. Até mesmo me virar, era muito dolorido, muito difícil. Eu senti nos meus dois pós-partos um desespero muito grande, talvez por causa da anestesia.”

Me esqueceram

dscn2568

Daiana F. Martins passou 24h em trabalho de parto. Ficou sozinha no quarto com outras mães, sem direito a acompanhante. Foi esquecida na ducha pela enfermeira durante 2h, e só saiu de lá porque outra gestante que estava em pré-parto lhe ajudou. Quando já estava em trabalho de parto, pediu ajuda às auxiliares de enfermagem que estavam jogando baralho em uma mesa ao seu lado. Foi acusada de tumultuar e assustar as outras mães que estavam com ela. Quando o médico finalmente veio e foi examiná-la viu que o neném já estava coroando. Para levantar da maca, ela tentou apoiar em uma das auxiliares e escutou dela um “não me encosta”. Confira a história completa:

 Leis

 Em junho de 2000, foi estabelecida a Portaria n.º 569 que diz que “o acesso das gestantes e recém-nascidos a atendimento digno e de qualidade no decorrer da gestação, parto, puerpério e período neonatal são direitos inalienáveis da cidadania”

Em 2005, entrou em vigor a lei n° 11.108, que obriga os sistemas de saúde (privados e SUS) a permitir a presença de um acompanhante (indicado pela parturiente) durante o trabalho de parto, no parto ou pós parto.

 Cesariana

 A cesárea é um procedimento mais rápido e mais rentável que o parto normal para o profissional que realizará o procedimento. A imposição da cesariana tem sido encarada como uma forma de violência. O risco de morrer durante a operação é quase quatro vezes maior que no parto normal. O Brasil é o campeão mundial nesse tipo de cirurgia (52%).

Muitos médicos manipulam e incentivam as gestantes a fazer este procedimento no pré-natal. Conselhos de saúde e estudiosos chamam a atenção para o fato de que o feto não possui “hora marcada” para nascer. O corpo da mulher dá os sinais com contrações e o rompimento da bolsa, por isso, a cesariana deveria ser uma medida de emergência e não um método usual.

Parto humanizado

A Rede Humaniza SUS (RHS) é uma rede social para pessoas que estão interessadas em humanizar a gestão e o cuidado no Sistema Único de Saúde. Em 2001, surgiu o PNHAH (Programa Nacional de Humanização do Atendimento Hospitalar) que, em 2003, virou a PNH (Política Nacional de Humanização). Esta política incentiva e instrui seus profissionais para que eles possam atender os pacientes com qualidade e respeito.

Assim como outros procedimentos, há o parto humanizado. Nele, as gestantes são as protagonistas: escolhem a posição que desejam ter seu filho e têm direito assegurado a um acompanhante em todas as fases (pré parto, parto e pós parto).  Esta ação visa garantir que a mulher não tenha seus direitos (estabelecidos na Portaria n.º 569) violados no sistema público de saúde.

O que elas escutam

Foi realizada uma pesquisa pela Agência de Reportagem e Jornalismo Investigativo com gestantes que realizaram seus partos em rede pública. As frases mais ouvidas durante o parto foram:

  • Não chora que ano que vem você está aqui de novo (15%);
  • Na hora de fazer não chorou/não chamou a mamãe, por que está chorando agora? (14%);
  • Se gritar eu paro agora o que estou fazendo, não vou te atender (6%);
  • Se ficar gritando vai fazer mal pro seu neném, seu neném vai nascer surdo (5%).

my-infographic-1

Esta matéria foi escrita por Caroline Agripino e publicana no Blog Liberté Féministe. Mas para quem não conhece a Caroline, aqui vai uma pequena bio desta incrível estudante de jornalismo:

@carolagripino, analista de Mídias Sociais e estudante de Jornalismo. Como clichê gosta de filmes, boa música e café.

Anúncios

Obrigada por comentar.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s