Vai ter Copa, sim!

Por: Bruno Zanette

Durante os últimos meses convivemos com a grande dúvida do futebol mundial: #vaitercopa ou #nãovaitercopa? A minha resposta favorita para isso é sim, terá. Ainda que do tradicional “jeitinho brasileiro”. Não é segredo para ninguém que o Brasil perdeu uma ótima oportunidade de melhorar muita coisa com o Mundial. Transporte, estradas, aeroportos, comunicação, só para citar alguns exemplos. Temos estádios de primeiro mundo, mesmo com alguns ainda inacabados ou terminados em cima da hora, porém nos arredores parece um grande canteiro de obras.

Mas fui convidado para escrever para o Ninho de Mafagafas sobre a parte esportiva (que é a que realmente importa) da Copa do Mundo. A partir do dia 12 de junho, em São Paulo, Brasil e Croácia abrem a 20ª edição do principal torneio de futebol do planeta. Serão oito grupos, 32 seleções, 736 atletas, 12 sedes e 64 jogos, dos quais, se você tiver apenas uma televisão, conseguirá assistir ao vivo 56, pois oito partidas acontecerão simultaneamente no mesmo horário de outros jogos.

As seleções favoritas são as mesmas de sempre. Brasil pela tradição, ter o maior número de títulos e, claro, jogar diante da torcida. Toda a cúpula da CBF não quer nem imaginar repetir o fracasso de 64 anos antes, em 1950, quando perdeu de virada para o Uruguai, no Maracanã completamente lotado. O empate bastava para o Brasil ser campeão naquela edição.

 Felipão tenta levar o Brasil ao hexacampeonato.
Felipão tenta levar o Brasil ao hexacampeonato.

Depois vem Alemanha, três títulos, sendo o último em 1990; Itália, tetracampeã e que as mulheres adoram ver jogar, não sei bem o motivo. Deve ser pela qualidade do uniforme italiano, vai saber.

Argentina tem Lionel Messi e companhia Ltda; a Espanha é atual campeã; a Holanda busca seu primeiro título após três vices (parece alguns clubes brasileiros que conheço); Uruguai quer repetir a façanha de 50, embora eu ache mais difícil agora; e Portugal, com Cristiano Ronaldo, que sozinho não conseguirá fazer muita coisa.

A Copa do Mundo costuma chamar a atenção de todos os gêneros no momento dos jogos. Também pudera, parece que não se fala em outra coisa durante um mês. Até pessoas que normalmente não costumam assistir futebol, fazem uma parada em frente à TV para acompanhar pelo menos um jogo. Certa vez, acredito que foi em 2010, li o comentário de um rapaz reclamando que sua namorada não se interessava por futebol, mas que nos jogos da Copa queria assistir. Isso não deveria ser motivo de reclamação, pelo contrário. O cidadão deveria aproveitar mais essa oportunidade de ficar ao lado da companheira. Tudo bem que tem aqueles que preferem assistir aos jogos com os amigos, tomando cerveja. E isso acontece entre mulheres, também. E hoje é cada vez maior o número de mulheres interessadas não só no futebol, mas em outros esportes. Fórmula 1 é um deles. 

casal tv

Por isso não me senti neste texto como se fosse o Bolinha entrando no clube da Luluzinha. Nem poderia. Primeiro porque não sou tão cheinho quanto o personagem, segundo porque o assunto “futebol” está cada vez mais em evidência, e o público feminino tem se interessado cada vez mais por ele. Esse reflexo é visto no jornalismo esportivo. Já faz tempo, é verdade, que temos repórteres mulheres nos campos e esse número tem crescido ano após ano. Até nos comentários é possível ver, em alguns canais. Apresentadoras de programas esportivos, igualmente.

Isso ajuda a explicar o fato de ter pegado mal a campanha publicitária da cerveja Heineken, sobre a final da Liga dos Campeões da Europa, torneio onde ela é patrocinadora oficial. No anúncio, a cervejaria diz que as mulheres são quem iriam dispensar os namorados/maridos na tarde do dia 24 de maio, um sábado, pois teria uma grande liquidação de calçados, e enquanto eles estivessem assistindo ao duelo Real Madrid x Atlético de Madrid, elas estariam fazendo compras. Honestamente, apesar de não concordar com o pensamento da cerveja, achei nada de mais, pois se a campanha tinha o intuito de ser humorada, conseguiu. Mas nem todos viram assim e o risco da imagem negativa poderia ser grande. O mundo anda muito chato mesmo.

O poder do futebol é tanto, que foi cogitado a antecipação do Dia dos Namorados para 11 de junho, já que no dia 12, quando tradicionalmente é comemorado no Brasil, haverá a abertura da Copa do Mundo.

O importante é que vai ter Copa, com ou sem protestos nas ruas, e homens e mulheres de todas as idades assistirão, seja pela TV ou nos estádios, a mais uma edição deste torneio, que realmente tem sempre algo especial a cada quatro anos.

bruno

Bruno Zanette, 25, é jornalista em Foz do Iguaçu. Gosta de esportes, música e filmes. Passou por CBN Foz e Clickfoz, hoje está na rádio 97 FM. É colaborador do site Redação em Campo e comentarista no Podium Sem Fronteiras, da Foz TV. Seu Twitter é o @bzanette e Facebook: Bruno Zanette.

Anúncios

Obrigada por comentar.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s