É Palestina. Sempre foi e sempre será

Primeiramente, Vamos entender o início dessa guerra toda?

Palestina, a terra povoada por palestinos há mais de 10 mil anos. Nesses 10 mil anos estão incluídos o nascimento de um cara muito importante na vida de varias religiões, Jesus, que nasceu em Jerusalém, na Palestina (Isso explica o motivo de possuir muitos cristãos na Palestina e muitos palestinos cristãos). Naquela época, isso é,  há 2014 anos, ainda não existia guerra, porque a área da Palestina era da Palestina. Na idade Média, a terra da Palestina era da Palestina. No Antigo Egito a terra já estava sendo ocupada por palestinos. Então podemos dizer que a palestina sempre pertenceu aos palestinos? Podemos e devemos, pois a terra foi povoada por muçulmanos inicialmente e depois nomeados de palestinos. Lembrando que isso há mais de 10 mil anos.

Mas e quanto aos Judeus? Os judeus não ocupavam a terra da Palestina. Os judeus eram nômades, estavam espalhados pelo mundo.
Então começa o início do motivo da guerra. A culpada: A Segunda Guerra Mundial, e Hitler com a intenção de exterminar judeus, negros, homossexuais e até mesmo árabes (pasmem, porque isso não mostra nos livros de historia na escola).

Mas voltando: Com o fim da segunda guerra mundial, o número de judeus sobreviventes era alto, e todos passaram a ser refugiados. Logo após o fim da segunda guerra, a ONU decidiu criar um estado para eles, que mais adiante seria considerado um país. Então assim foi criado o estado de Israel em 1948 pela ONU para abrigar os sobreviventes da segunda guerra mundial.
Mas como a ONU fez isso??
O país escolhido para dividir suas terras foi a Palestina. A ONU fez a divisão de que 55% da Palestina seria a partir de 1948 chamada de Israel.
Vocês já estão achando injusto? Calma que ainda vem mais…

Os israelenses, não contentes com o pouco de terra que haviam ganhado, decidiram pegar mais. Como podemos ver no mapa a seguir, a palestina antes da divisão, a palestina logo após a divisão e a palestina sendo tomada….

 

PalestLand

 

 

Mas como se encontra a Palestina hoje?
Injustiçada. Todos os dias dezenas de crianças, mulheres, idosos morrem, e ainda por cima são chamados de terroristas. terroristas por estarem defendendo sua terra, suas famílias, suas vidas.

Israel tem o apoio financeiro dos EUA, no valor de 1,8 bilhões de dólares anuais.  Israel é um pais fortemente armado e com tecnologia rica graças ao apoio dos EUA. Já a Palestina se encontra cada vez mais pobre e com o risco de se tornar extinta. Sendo assim, Israel, por se tornar forte economicamente e armadamente, consegue controlar o que sobrou da palestina e dos próprios palestinos.

Israel construiu uma espécie de muro de Berlim ao redor da palestina, para que os que estão do lado de dentro não possam sair e para que os que estão do lado de fora não possam entrar, separando assim várias famílias e causando ainda mais tristeza.

 

800px-Israel-Palestinian_Wall_Ich_Bin_Eine_Berliner                   Qalqilya_wall

 

Israel possui o controle de água do país inteiro e sendo assim, corta por vários dias seguidos a água do lado palestino, fazendo muitos morrerem de sede.

Israel também não permite que todas as crianças  que nascem na palestina sejam registradas, assim a ONU e o direito internacional das crianças não possuem o número real de crianças que nascem, logo também não possuem o número ideal das que morrem. Por isso vemos na TV um número relativamente baixo se comparado com o verdadeiro.
Israel não permite que outros países ajudem a Palestina. Todos os países ou ONGS que tentam de alguma forma mandar comida, remédios, roupas, material escolar, são impedidos e se as doações chegam ao controle de entrada de Israel, as mesmas são lançadas no mar.  Israel lança mísseis propositalmente em hospitais, escolas e locais que tenham maior movimento, pois sabem que o número de mortos será maior.

Abaixo as 12 coisas que você provavelmente nunca ouviu falar sobre o massacre ao povo palestino, por Thiago Ávila.

1 – Apenas no primeiro dia deste novo massacre (julho de 2014) foram realizados 273 ataques aéreos (cerca de 11 por hora) em uma área com 40 km de comprimento por 12 km de largura povoada por 1,7 milhão de pessoas (uma das áreas mais densamente povoadas no mundo). Imaginem a catástrofe que é uma área do tamanho do Plano Piloto de Brasília com uma população tão grande assim e recebendo um pesado bombardeio aéreo a cada 6 minutos. A estimativa dos hospitais é que ficarão sem recursos para atender os feridos em dois dias. A eletricidade é intermitente e não existe qualquer indicativo de que Israel parará o massacre, apesar dos pedidos de diversas nações do mundo.

2 – Embora o Acordo de Paz firmado em 1948 entre a Palestina e Israel (país que estava sendo criado naquele momento) garantisse a divisão quase igualitária do território entre estes dois países (55% para Israel e 45% para a Palestina), desde 1967 (ano da Guerra dos Seis Dias), Israel ocupa ilegalmente os territórios palestinos, restringindo cada dia mais seu tamanho. Ainda no ano de 2012, Israel ocupava 78% do território e este número não para de crescer. Cada dia que Israel permanece e avança sobre os territórios palestinos ocupados é uma afronta aos Direitos Humanos e ao acordo internacional que poderia trazer finalmente paz para aquela região.

3 – A ocupação israelense é seletiva, tomando dos palestinos as terras férteis, com acesso a água e recursos naturais, inviabilizando qualquer chance de subsistência ou desenvolvimento soberano. Hoje os territórios palestinos dependem de Israel para ter acesso a tudo (água, energia, alimentação, telecomunicações etc.). Israel tomou o peixe do povo palestino e lhes proibiu de pescar.

4 – Todo tipo de ajuda humanitária precisa passar antes por Israel, que proíbe visitas de ativistas de Direitos Humanos e pessoas interessadas em diminuir a dor dos palestinos. Existem casos de ativistas que morreram tentando impedir a derrubada de casas palestinas em locais que estavam sendo invadidos por Israel. O caso de Rachel Corrie, que foi atropelada a sangue frio por um trator que destruía casas palestinas em áreas que estavam sendo tomadas por Israel, é emblemático. Em 2012, um tribunal israelense foi isentado de qualquer culpa no assassinato, alegando culpa da vítima e não do soldado que assumiu o controle do trator após o trabalhador que o operava ter se recusado a passar por cima da jovem militante.

5 – A Faixa de Gaza está no litoral do Mediterrâneo. No entanto, não é possível enviar ajuda pelo mar para o povo palestino, pois Israel proíbe. Em 2010, um corajoso grupo de onze ativistas de Direitos Humanos de diversas partes do mundo (incluindo uma vencedora do prêmio Nobel da Paz, Mairead Corrigan, uma das poucas premiadas que realmente merecia tal honra) conseguiu um navio para levar comida e materiais escolares para a Faixa de Gaza pelo mar. Embora o navio, batizado de Rachel Corrie, já tivesse sido inspecionado pela ONU e por autoridades iraquianas, com pedidos do governo irlandês para que não fosse interceptado, foi tomado violentamente por Israel, que impediu sua chegada, prendendo e deportando toda a sua tripulação. Não foi a primeira nem a última vez que isto aconteceu, envolvendo casos de assassinatos de ativistas nas invasões e tomada dos barcos.

6 – Para garantir que o povo palestino não fuja ou tente recuperar suas terras definidas pelo acordo de 1948 da ONU, Israel construiu um muro ao redor da Faixa de Gaza. É isso mesmo: a Faixa de Gaza é cercada por fora por Israel através de um muro blindado de 5 metros de altura apelidado pela comunidade internacional de “Muro da Vergonha”. Ele mantém os sobreviventes da Faixa de Gaza em uma prisão sem teto que lembra muito o Gueto de Varsóvia, local onde os judeus poloneses eram colocados pela Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial e lá sofriam as mais duras violações de Direitos Humanos. Infelizmente, Israel faz hoje como o povo palestino algo muito parecido com o que fez a Alemanha nazista durante o holocausto. No entanto, no caso deles, a resistência judaica no Gueto de Varsóvia é tratada como algo heróico e lembrada na história, nos livros e nos filmes. Hoje, a resistência palestina é tratada como terrorismo e usada como justificativa para mais e mais atrocidades por parte do Estado de Israel.

7 – Imagine que quando você quer viajar, ou quando avalia que as condições em seu país estão difíceis, você pode ir a outro país e retornar ao seu quando quiser. Pois esta não é uma opção para os sobreviventes da Faixa de Gaza. Pelo contrário, Israel busca de todas as formas que o povo palestino abandone seu país e vá para campos de refugiados em outros países, pois, uma vez fora, o Estado judeu não os deixa mais retornar. É uma verdadeira crise humanitária, pois milhões de famílias estão separadas há gerações, sem nenhuma perspectiva de algum dia se reunirem de volta em seu país de origem. A negação do direito de retorno é uma das grandes violações do Estado de Israel perante o povo palestino.

8 – Israel é o país que mais recebe “ajuda militar” dos Estados Unidos desde o final da Segunda Guerra Mundial, com uma média de 1,8 bilhão de dólares anuais. Desde o seu nascimento, Israel se consolidou como um dos mais poderosos e destrutivos exércitos do mundo (a quarta maior potência, segundo a maioria dos especialistas). Apesar de seu elevado potencial nuclear (e sua propensão às agressões e conflitos), Israel se recusou a assinar grande parte dos tratados internacionais que envolvem não-proliferação de armas nucleares, utilização de armas que causam danos a civis, entre outros desrespeitos aos Direitos Humanos mais básicos.

9 – Ao contrário do que dizem, não foram os árabes que “inventaram” o terrorismo como ferramenta de luta. Pelo contrário, o ataque indiscriminado a alvos civis para causar terror foi algo muito praticado pelos judeus entre 1910 e 1950. No entanto, enquanto movimentos populares, partidos políticos e grupos de resistência árabes são condenados por unanimidade pelas potências ocidentais (que também praticam suas violações de Direitos Humanos ao redor do mundo), os movimentos terroristas judaicos (tratados na história hoje como heróis) tinham total apoio dos Estados Unidos e do Reino Unido com armas, logística e equipamentos. Apoio, aliás, que os governantes israelenses violadores dos Direitos Humanos atuais também possuem.

10 – O lobby israelense para invisibilizar o povo palestino e seu país é tão poderoso que conseguem manter o país ocupado quase como sendo um não-país. Tanto é que a Palestina passou 64 anos desde a criação de Israel para ser reconhecida finalmente em 2012 como “Estado observador” da ONU. E esta mera aceitação como observador foi motivo de revolta de Israel e dos Estados Unidos, que ameaçaram parar de contribuir com o orçamento da ONU após perderem a votação por 138 votos a 9 (votações parecidas com as que demandam o fim do bloqueio econômico a Cuba por parte dos Estados Unidos, até hoje não cumprido). Apesar do ínfimo avanço, a Palestina vergonhosamente ainda não foi reconhecida como membro pleno da ONU, que não tem qualquer poder para parar Israel e suas sucessivas violações dos Direitos Humanos.

11 – Israel utiliza em suas agressões militares armas que foram proibidas pela ONU como o fósforo branco. Desde 2006, quando tentou invadir o Líbano e foi derrotado pelo Hezbollah (“Partido do Povo”, em árabe), crescem as denúncias de que o exército estaria utilizando estas armas em locais densamente povoados, causando terríveis efeitos sobre a população civil.

12 – Outra prática vergonhosa e muito utilizada por Israel e outras potências imperialistas são os auto-atentados, ou seja, provocar ou simular um incidente para que ele seja utilizado como justificativa para ataques a outras nações ou grupos. Esta tática para garantir apoio popular local e internacional foi muito utilizada na história deste país. Basta lembrar do caso de 2006, onde foi divulgado que um “cidadão israelense”, Gilad Shalit, havia sido sequestrado pelos terroristas do Hamas na Faixa de Gaza, dando início à Guerra em que Israel matou milhares de civis, tomou diversos territórios palestinos na Cisjordânia e tentou tomar o Líbano! Depois não tiveram como esconder o fato de que Gilad Shalit era um soldado israelense, infiltrado no território palestino para espionar e divulgar a localização de lideranças do Hamas (partido eleito democraticamente para o governo da Faixa de Gaza) para bombardeio às suas casas posteriormente.

Espero que isto forneça a alguns elementos para ao menos desconfiar cada vez que ouvir da mídia hegemônica que “terroristas palestinos atiram míssil contra Israel” ou, “conflito entre Palestina e Israel deixa tantos mortos”. Gaza não tem exército, força aérea ou marinha. Israel é a quarta potência militar do mundo. A resistência à ocupação é permitida pelo direito internacional. A ocupação de Israel, o cerco e a punição coletiva de Gaza, não.

Nunca esqueça que o que acontece naquele lugar é um verdadeiro massacre a um povo. Uma mancha na breve história da humanidade que precisamos remover e reparar para que possamos finalmente viver em paz com justiça social e fazer desta Terra a Pátria do ser humano e da natureza.

Por Thiago Ávila, consultor internacional e membro da Executiva Nacional da Insurgência

Anúncios

Obrigada por comentar.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s