O que eu guardei

Guardei pra mim tantas coisas que um dia quis te dizer. Guardei sentimentos bons, porque você poderia pensar que estava apaixonada por você e aí, iria se afastar. Guardei o “tô com saudades e o lembrei de você”, porque você não gosta dessa coisa melodramática de romancinho. “Guardei o me abraça e o fica comigo mais um pouco” porque gente carente é chata.

O tempo foi passando, as conversas diminuindo e as angústias aumentando. Comecei a guardar as ansiedades todas no peito, guardei os “oi, tá tudo bem?”, guardei a vontade de puxar assunto mesmo quando tinha algo muito legal pra contar. As vezes que não guardei, recebia pouca sensibilidade ou atenção de volta, e o “e você, tá bem?” não retornava.

Capturar

Então comecei guardar uma magoazinha aqui, outra ali. As vezes parecia que você era de novo como no começo e aí até voltava a guardar algumas alegrias novamente. Guardava até uma certa esperança das coisas melhorarem. Foi quando eu vi que na verdade, o que eu tinha dentro de mim, era uma montanha-russa de emoções.

Essa mistura de sentimentos que moram aqui começou a bagunçar cada vez mais. Sem combinados, sem expectativas explícitas, sem nada o que esperar. Comecei então a colecionar discursos e falas, pois eu precisava te falar sobre tudo isso, porque já não havia mais espaço para guardar nada, não cabia. A aflição já estava pressionando a garganta e os sentimentos fazendo o coração latejar cada vez mais forte.

E quando eu não aguentei mais, tudo isso foi expelido em forma de lágrimas. Lágrimas que você não viu, e nunca verá. Você viu meu sorriso, mas como sempre, foi incapaz de ver que não era o mesmo sorriso, que era um sorriso triste, o pior que um dia te ofereci. E se viu, fez como eu, guardou pra você.

Não era pra ser um jogo, nem uma disputa de quem aguenta mais. Não era pra ser algo pesado, que trouxesse dor. Eu gostava de quando era leve, espontâneo, cheio de risos gratuitos e carinhos onde o desejo e a cumplicidade falavam mais alto.

Eu guardei tanta coisa que eu sempre quis ter dito, mas que por medo, insegurança e vontade de parecer forte nunca me deixaram falar. Escolhi a vaidade e o orgulho e deixei nos meus segredos escondidos a sete chaves, e agora não faz mais sentido, deixa pra lá. Eu senti tanto, que agora tanto faz.

Anúncios

2 comentários em “O que eu guardei

Obrigada por comentar.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s