A síndrome de Peter Pan

Ultimamente posts de amigos meus no facebook, tem influenciado diretamente nas ideias para as pautas dos meus textos no Ninho. Isso é bacana, porque mostra que aquilo que eu penso realmente é pensado por outras pessoas. Na última semana, uma amiga minha postou a seguinte indagação: “Alguém me diga alguma vantagem em ser adulto!”. Ao ler o post eu pensei… – É, ser adulto é pagar conta, acordar cedo, trabalhar, cuidar da casa, do conjugue, dos cachorros, dos filhos, administrar planos, abrir mão de muita coisa… Minha nossa, ser adulto é um porre!

iedasampaio.com_.br_

Foi ai então que eu fui ler os comentários. E me diverti a beça! Tinha um que dizia que o melhor de ser adulto é comer a sobremesa antes da comida. Achei um máximo isso. Nessa hora encontrei uma vantagem em ser adulto, e chamei essa minha amiga inbox e disse: – A vantagem de ser adulto é poder fazer sexo em qualquer cômodo da casa. (Não me julguem, cada um acha as vantagens que bem entender haha).

Nós humanos, somos um arsenal de sentimentos, desejos e vibrações. Às vezes não confessamos, mas no fundo queremos tudo para “ontem”. Se somos crianças, queremos crescer. Se somos adolescentes queremos ser adultos. Se já somos adultos queremos voltar a ser criança. Vai dizer que não é assim? Mas, porque temos medo de crescer? Porque às vezes não conseguimos ver vantagens em sermos adultos?

Eu conversei com a psicóloga infantil Dra. Adriana Rodrigues. Ela atua em Foz do Iguaçu, e realiza um trabalho bem interessante com os pequenos. Quis saber dela se, assim como nós adultos encontramos dificuldades em vermos vantagens em crescer, as crianças também enxergam desvantagens em simplesmente serem crianças. E ela me questionou: “- Dary você já ouviu falar da síndrome de Peter Pan?” Síndrome de Peter Pan? Calma leitores, eu já explico.

Antes de expor a opinião da profissional, abro aspas para compartilhar o que pensa a minha sobrinha Thaíssa Cintra, (11 anos), sobre ser criança. “Eu não sou criança tia. Sou pré adolescente. O bom de ser criança era que eu brincava mais e a escola era mais fácil. Mas eu quero ser adulta logo. Ser independente, fazer o que eu quiser. Vou viajar, trabalhar, estudar e ter o meu próprio dinheiro”.

Não vou comentar nada sobre a opinião da Thaíssa. Acho que cada adulto deve tirar sua própria conclusão. Só vou dar um adendo sobre o trecho em que ela diz “o bom de ser criança ERA…”, ou seja… Ela realmente não se considera mais uma criança. Ela era.

Bom, voltamos então a Síndrome de Peter Pan. Conforme me explicou à psicóloga, a síndrome nada mais é que o atraso de decisões, onde o individuo faz de tudo para evitar as responsabilidades de um adulto.  A discussão sobre a síndrome foi criada pelo psicólogo norte americano, Dan Kiley em 1983, e assim como na história de Peter Pan, o mesmo acontece com o adulto que sofre do problema, e que não quer crescer de modo nenhum.

A psicóloga Adriana ressaltou as características da síndrome. “Normalmente o paciente que trata da síndrome adia em ter uma vida de adulto. Evita ter responsabilidades e não tem iniciativas. Além disso, a ansiedade, a solidão, o conflito pessoal, egocentrismo, e mudanças de comportamento, também são características que fazem parte do quadro”.

Além disso, existe também o caso das crianças que querem crescer a todo custo. A ideia de criar responsabilidades, amadurecer, “ser dono da própria vida”, gera também a ansiedade em antecipar a vida de adulto. Não precisamos ir longe para percebemos que existem vários casos assim. Crianças que querem ser adultos a qualquer custo. Mas, de onde vem essa ideia de que ser adulto é ter liberdade? E de onde vem a ideia de que ser adulto é não poder mais ser criança? Tire suas conclusões.

É lógico que o post citado no início deste texto não refere-se a síndrome de Peter Pan, mas mesmo que tenha sido apenas uma publicação do dia a dia, com certeza abriu-se um leque para diversos assuntos e discussões, inclusive da síndrome. No fundo a sensação que tenho é que nós sempre estaremos em constante crescimento adulto e em constante crescimento infantil. Até porque, pra ser feliz nesse mundo, não da pra ser “gente grande”, toda hora.

sombra

Anúncios

Obrigada por comentar.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s