O Vento

Como sempre parecia que minha vida começava a noite. Já eram quase três da manhã quando resolvi ir para o fundo de casa. Abri a porta com o maior cuidado para que ninguém ouvisse. O corredor estava escuro, detive meu medo e desci até perto da piscina. Sentei no degrau e fiquei parada sentindo o vento frio bater em minha pele. Tremi, mas nem por isso desisti de ficar ali. Fazia muitos anos que não ficava ali no quintal. Muitas coisas já haviam mudado, mas a criança dentro de mim pedia por isso.Ouvia os barulhos dos carros e os cachorros dos vizinhos latir, me assustei quando pensei ter visto um vulto. Nessa noite não estava querendo pensar em mais nada, estava muito confusa com tudo o que acontecido nos últimos dias. Aqueles olhos de felino não saiam da minha mente, assim como a lembrança daquela presença também não. Eu não podia negar que estava assustada com tudo isso. Mas sentia uma necessidade incomum de saber o que tudo isso significava.


Olhei para o céu, vi varias estrelas. Há muito tempo eu não reparava mais no céu daqui. Era tão lindo que esquecia tudo. Foi quando senti novamente a presença ao meu lado. Mas dessa vez ela não queria me fazer companhia apenas e nem me acalmar. Parecia que tinha algo a me dizer. Então olhei para o lado na esperança de ver alguém ali, mas nada vi. Mesmo assim joguei a pergunta ao vento. Abri minha boca e perguntei ao nada: – O que quer comigo? – Não obtive nenhuma resposta. O silêncio era letal e o vento ficava mais forte.

Parei então para observar as sombras que eram formadas pela luz do poste da rua, que pouco iluminava ali. Era só a sombra de uma menina, uma menina não. Eu. Pela minha reação dava pra ver que esperava ver outra coisa além dessa imagem, mas o que iria refletir se nada tinha ali além de mim. Estava arrepiada de frio minhas costas já doíam por causa do jeito que estava sentada. Não me importei.

De repente ouvi algo de diferente no ar, era como se alguém estivesse falando algo. Quem poderia ser se não havia mais ninguém ali. Me concentrei pra tentar ouvir. –Você está bem?- Foi exatamente o que escutei. Sorri e respondi: – Claro que não. – Então o vento soprou mais uma vez. O arrepio cresceu e então ouvi outra pergunta. – Por que não estas bem?- Não sabia se devia responder ou se me calava, mas como estava tomada pela coragem respondi. –Estou confusa, sinto que alguma coisa está pra acontecer. Ou acontecendo, parece que alguém está sempre comigo, mas eu não sei quem. E também não sei o porquê. Estou assustada, mas quero saber, preciso de respostas. –

Passou alguns minutos… Mas o silêncio voltou a ser mortal. Estava de cabeça baixa e frustrada por não ter conseguido nenhuma resposta. Foi quando escutei alguém tossir. Olhei pra porta do corredor, mas não havia ninguém ali. Mas tinha certeza que era dali que veio o barulho. Fiquei quieta na esperança de ouvir, ver, sentir qualquer coisa que fosse e nada. Peguei meu celular pra ver a hora, já haviam passado quase uma hora.

Estava mais tranquila do que quando sentei ali. Talvez eu precisasse de um cantinho que sentisse que era só meu. E aquele momento me fez bem. Não sei por que, mas fez. Era a primeira vez em dias que sentia paz. Levantei de vagar e fui caminhando pelo corredor. Entrei pela porta sem fazer nenhum barulho. Subi correndo as escadas, deitei em minha cama. Esperava dormir melhor essa noite…

Anúncios

Obrigada por comentar.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s