Eu tinha pensado em muitas abordagens para discorrer ou até mesmo homenagear estes profissionais, nesta data. Eu podia tentar falar em rimas, levando poesia, iluminando o dia, daqueles que capturam o momento e o deixam para sempre não somente em nossa memória, mas em registro para eternidade – completando com alguma imagem de câmera fotográfica – por exemplo. Sendo assim, eu deixo para uma próxima vez, essa visão romântica da fotografia como Arte, (extraoficialmente considerada a oitava arte), mesmo analisando, ao meu ver, que o olhar do fotógrafo é que realmente faz a diferença, desde que respaldada por estudo e não pela quantidade de cliques dados, tentando salvar a melhor imagem em meio a centenas delas, é como na leitura e na escrita, essa prática precisa ter um senso crítico que é trabalhado, e não como mencionei, aleatório.

Dentro da área, é de uma infinidade impressionante a quantidade de setores para que o profissional tente ganhar seu lugar ao sol, só para citar um exemplo: fotografia de eventos, publicidade e produtos, moda, arquitetura, de animais, crianças, book pessoal, revistas, etc. Olhando assim, não tem como não pensar: “tem lugar para todo mundo”!

fotografo

Enquanto eu refletia, me lembrei de uma conversa com uma amiga, profissional (de verdade) na área, que me contava a milésima rasteira que tinha recebido na sua carreira, que ainda é recente, mesmo que bem-sucedida, (mesmo ela sendo extremamente perfeccionista e provavelmente não iria concordar comigo) já passava por algumas crises que a deixaram com vontade de desistir de tudo. Quando comentava indignada uma ou outra dessas histórias, a resposta que ouvi, para o que havia acontecido foi: “ah, mas em todas as profissões é assim mesmo! ”. Certo, isso não deixa de ser uma verdade, em praticamente todas as profissões existem o mal profissional que usa má fé para subir na carreira. Aquele que “prostitui” seu trabalho, atrapalhando o de todos os colegas que muitas vezes tiveram o caminho mais árduo para chegar onde chegaram, até porque, é uma carreira que para manter os materiais de trabalho é de um custo altíssimo. Aquele que é bom e talentoso sobrevive ao tal mercado do “capitalismo selvagem” – ôôô – ou não? Alguns desistem. Porque para iniciar e se manter perante tantos obstáculos é preciso persistência, muito estudo e dedicação. E você achando que era só comprar uma câmera fotográfica “fodalhona”, que isso já te habilitava para ser um “profissional da fotografia”. É, Welcome to the jungle, baby! Prepare-se para aguentar horas a fio, muitas vezes com o peso de muito equipamento, humor das pessoas (modelos, parceiros, clientes) e tantas cositas mais que esse meio tão glamourizado seduz alguns tantos…

Dei muitas abordagens, não é? E poderia me estender em milhões de outras mais… Pois é… Mas você que sabe exatamente do que eu estou falando é quem merece as minhas felicitações pelo Dia do fotógrafo! O restante… pode ficar com alguma que outra imagem copiada do Google!

P.S. da Editora: Queria pedir desculpa, esse texto era pra entrar no Dia do Fotógrafo, que foi no dia 08 de janeiro, porém tivemos um problema com a torre da internet e não conseguimos atualizar o blog nos últimos 10 dias! Mas não poderíamos deixar de homenagear estes profissionais que tanto admiramos e que conseguem eternizar momentos! ❤

 

Anúncios

Obrigada por comentar.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s